Sobre o Acidez ou Azia

Acidez ou Azia é o passatempo criado por Gabriel Moura e Danilo Durso.

Eu (Gabriel) sou publicitário e Danilo é designer gráfico. Sempre trabalhamos com web e tecnologia e tivemos a oportunidade de trabalharmos juntos em duas ocasiões, em 2010 e 2013. Dessa parceria, surgiu o "Mané Possível".

A ideia do personagem surgiu de uma situação real que o Danilo presenciou em um ônibus lotado, sem ar condicionado, num dia de verão de 69º na zona norte do Rio de Janeiro. Nesse ônibus havia um sujeito irritado, que provavelmente saiu atrasado para o trabalho e que xingava aos gritos todo e qualquer passageiro que desse sinal e fizesse o veículo parar para pegar... mais passageiros. Dentre um xingamento e outro, ele soltava um resmungo em voz mais branda. Dizia "Ma né possível"!

Ao me encontrar no trabalho, Danilo me contou das situações gozadas (Opa) que vivenciara e disse que deveríamos criar um personagem baseado nesse homem do ônibus. Rimos bastante e voltamos a trabalhar. O Mané Possível só surgiu mesmo no final de 2013, quando cheguei mais cedo no trabalho e vi um rascunho do Danilo, me enchendo o saco para criar uma série de animação. No dia seguinte, cheguei com um rascunho novo. Danilo riu só de olhar para o ar mau encarado do papudo. Feito! Era o Mané Possível no traço que vocês conhecem hoje em dia.

Danilo se revoltou com a Vilma Rouféti e foi morar no Canadá, onde estuda programação e busca novos horizontes. Acabou reduzindo sua participação nas animações, mas de vez em quando ainda manda algumas dublagens para um episódio ou outro.

Eu - Gabriel - fiquei por aqui pelo Subúrbio Suburbano, esperando novos desafios no fantástico sistema do capetalismo de terceiro mundo. E é daqui que tenho tentado criar, sempre que possível, animações novas para o Youtube.

Esta é a única parte séria do blog e acredito que será a única, Mas por outro lado, o senhor Manoel P. O. Sílvio também é um homem sério. Sério até ao extremo! Então vamos de mau humor mesmo com muita acidez e muita azia.

Ma né... ma né... MA NÉ POSSÍVEL!


Gabriel Moura